sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Now You're My Life

Postado por Sωєєт Hσηєy ჱܓ às 13:05
Titulo: Now You're My Life
Gênero: Romance, Shoujo, Colegial
Censura: 16 anos *desculpaaa T-T *

Capitulo 1                                                                                                           

          Meu nome é Hikaru Miyu, moro com meu pai e, minha mãe nos abandonou quando eu tinha  apenas  3 anos, mas não sinto falta dela. Bem... já se passaram 13 anos e meus problemas são outros, tenho que trabalhar para pagar os medicamentos do meu pai que é aposentado e sofre de uma doença do coração.                                                                             
         Acabo de entrar no colegial, e minha vida escolar já está...
        -Pirralha!!! Estamos na mesma classe de novo.
         Meus pensamentos  foram interrompidos pela arrogante voz do Matsuri Yuiji.
         -Já disse que tenho um nome: HI-KA-RU, entendeu ou quer que eu desenhe !?
          Esse garoto me persegue desde o ginasial, sempre roubava meu almoço e colocava o pé para eu tropeçar . Não me importo mais com o que ele faz ou fala, tenho que me focar nos meus estudos e no meu ‘emprego’.
           No final das aulas, fui até o meu armário, quando o abri encontrei um papel onde havia escrito:
                 “Encontre-me amanhã atrás da quadra de esportes após as aulas”
Dobrei o papel e o pus no bolso da saia, já estava atrasada para o trabalho.
          -Ei, Pirralha! Onde você vai?
Aff... Não quero contar pro Yuiji que tenho que trabalhar para sustentar meu pai, afinal ele tira sarro da minha cara por qualquer motivo.
         -Errr... Canto nenhum, e mesmo que eu fosse, não seria da sua contra.
         -Já lhe disseram que além de uma moleca desprovida de curvas, você não mente bem !?
         -Cala boca! E sai da frente que estou com pressa.
Empurrei-o e sai correndo, afinal não queria me atrasar mais do que já estava.

 x                                                                                                                         
               
             Sei  que meu trabalho não é um dos mais remuneráveis afinal sou só uma garçonete de um café, e depois da tarde inteira trabalhando tenho que voltar pra casa e estudar.
            Mas há algo errado hoje, meu corpo está mais pesado e minha cabeça dói, ainda tenho que estudar...
               -Ei pirralha, para onde você foi com tanta pressa ontem?
               -Não me enche, hoje eu não estou legal !
               -Ei,ei,ei ! calma...
               -NÃO ME TOQUE !
               Dei um tapa na mão que encostava em meu ombro.
               -Tudo bem...
               Yuiji virou as costas para mim e saiu calmamente com as mãos nos bolsos da calça.
               -ESPERA!!!  m-me desculpe... eu só não estou me sentindo muito bem.
               -Tanto faz, mas pense bem antes de ferir as pessoas com suas palavras, e não diga que não está se sentindo bem, pois se não estivesse, não viria para a escola hoje.
               -Tem razão...
               O Yuiji nunca tinha falado comigo assim antes, por um lado ele tinha razão, não deveria ter falado daquele jeito com ele, mas achar que estava mentido... isso foi o cúmulo.
               A quarta aula do dia é de Educação Física, vou participar, afinal não posso acabar com as expectativa dele sobre mim. Pelo visto hoje vai ser futebol, o professor apitou e o jogo está para começar, mas tudo em minha volta está girando... a tontura está ficando cada vez mais forte e minha vista esta escurecendo, senti um forte impacto, acho que cai... Droga! Não consigo abrir meus olhos... mas ainda consigo ouvir as vozes:
              -O que houve?
               Tenho certeza que essa era a voz do professor.
              -A Hikaru... ela desmaiou de repente.
              Essa voz era de uma das garotas que estudavam comigo, mas não consigo identificar de quem é.

x                                                                                                                          
                                       
                   O QUE SE PASSA NA MENTE DO MATSURI YUIJI
               Não consigo parar de pensar na discussão entre eu e a Hikaru, aquela pirralha não sai da minha cabeça. Foi aí que notei um amontoado de garotas formando um circulo envolta de alguma coisa, queria escutar o que tanto gritavam, mas não dava pra entender, mas uma voz se destacou no meio de tantos gritinhos:
               -O que houve?
               -A Hikaru... ela desmaiou de repende.
               Foram poucas palavras, mas tiveram um grande efeito em meu corpo e na minha mente, só consegui pensar em ir ao encontro da Hikaru ...                                                                   
x                                                                                                                         
 
                   Quando recobrei a consciência já estava na enfermaria, sozinha. A porta se abriu, entrando a enfermeira e logo atrás o Yuiji. Não ouvia o que conversavam, mas ela se retirou em  seguida, deixando-me à sós com o Yuiji .
                   -Ela disse que é apenas um resfriado, mas a febre ainda não passou.
                  Não consegui falar nada, então ele continuou:
                  -Olha, sei que fui rude e não acreditei quando você falou que estava doente, mas você é uma idiota por fazer educação física nesse estado.
                  -Desculpe-me por lhe  preocupar.
                  Eu realmente me sentia culpada por tudo o que aconteceu.
                  -Não faça essa cara cachorro com fome (cara de cachorro com fome = *-*)
                  Disse ele me abraçando e me deixando corada.
                  -Yuiji...
                  Mas fui interrompida por ele.
                  -Hikaru, tente não me assustar tanto da próxima vez.
                  Ele falou encostando sua testa na minha.
                  -Por favor... me desculpe.
                  Não pude segurar as lágrimas que já escorriam pelo meu rosto de maneira descontrolada.
                   -Hikaru, quero ser alguém que te proteja sempre. Eu te amo.
                  Fiquei sem palavras, mesmo que tivesse, não pude falar pois seus lábios já se encontravam nos meus.

Capitulo 2                                                                                                           
            No dia seguinte, quando estava abrindo meu armário, notei que havia outro papel onde havia escrito:
            “Te esperei, mas você não apareceu. Fique ciente que se não for minha não será de ninguém”.
           Merda! Esqueci totalmente, mas agora com o Yuiji fica mais difícil de resolver isso. Foi aí que alguém me abraçou por trás e sussurrou em meu ouvido:
          -Bom dia...
          - YUIJI!!!!!!!!! Não sabia que você era tão pervertido.
          -Há muitas coisas sobre mim que você não sabe.
          Ele afirmou segurando minhas mãos , empurrando-me contra os armários e beijando-me.
          -Idiota ! não faça isso na frente dos outros.
          Minha voz estava firme, mas senti que estava corando. E o idiota do Yuiji estava rindo da minha cara.
          - É por causa dessas caras fofas que você faz que eu te amo tanto.
          Disse ele beijando minha testa e bagunçando meus cabelos com sua mão, como se eu fosse uma...
          -Pirralha.
          Completou ele como se estivesse lendo meus pensamentos.
x                                                                                                                        
         Tinha que resolver o caso dos recadinhos anônimos antes que o Yuiji desconfiasse de alguma coisa.
         Assim que as aulas acabaram fui em direção a parte de trás da quadra  e, realmente havia alguém à minha espera.
        -Finalmente, você demorou um dia para poder chegar até aqui?!
        -Ahn... perdoe-me por lhe fazer esperar, mas não estava me sentindo muito bem ontem.
        -Tudo bem, vamos as devidas apresentações, me chamo Nogizaka Hitsu.
        -Sou Hikaru Miyu, recebi seus recados, mas sinto muito pois amo  outra pessoa.
        -Não me importo, pois como havia dito antes, se não for minha, não será de NIGUÉM!
         Ele me agarrou e me jogou contra o chão caindo encima de mim.
         -Ahhhhh!!!!!! ME LARGA!
         Mas ele não me soltou, muito ao contrário, me agarrou com mais força e puxou com força a minha blusa, arrancando os botões.
        - Me solta, por favor!
         As lágrimas já escorriam pelo meu rosto e o medo me invadia completamente. Quando notei, Hitsu não estava mais encima de mim, desta vez era o Yuiji que estava encima dele, mão não estava o agarrando nem arrancando os botões de sua camisa, ele estava socando-o.
        Hitsu foi embora, mas eu ainda estava em choque, as cenas do Hitsu me jogando no chão não paravam de passar em minha mente, mas a voz irritada de Yuiji foi capaz de despertar.
        - VOCÊ É LOUCA ?! deveria ter me chamado, fiquei realmente preocupado quando você desapareceu de repente.
          Meu sutiã estava todo à amostra, mas não me importei, minha alegria em vê-lo é maior que tudo. Não havia notado, mas eu já estava chorando descontroladamente, foi aí que ele ajoelhou-se ao meu lado, então abracei-o com todas as minhas forças (ou o resto do que sobrou dela). Nos beijamos, e desta vez não resisti. Quando finalmente separamos nossos lábios abracei-o novamente e sussurrei com todas as letras em seu ouvido : EU TE AMO. E o que mais me surpreendeu foi seu sorriso  ao ouvir a minha declaração, parecia uma criança que acabara de receber o maios presente do mundo. Definitivamente eu o amo mais que tudo.

Capitulo 3                                                                                                         

               Bem, já se passaram 2 meses desde que eu e o Yuiji começamos a namorar e, o dia 14 de fevereiro já está se aproximando, obviamente tenho que comprar ou melhor, fazer um chocolate (fazer é mais barato que comprar).
             -Hikaru, bom dia!
             O Yuiji falou me beijando logo em seguida, e continuou:
            -Que tal agente ir para minha casa hoje? Minha mãe não vai estar lá, vamos ter a casa, ou melhor, o quarto todinho só pra gente.
             -Você ficou louco?!!!!  Não podemos fazer isso.
             -Relaxa, vou ser cuidadoso, prometo não te machucar.
             -Acho melhor não!
              Para minha sorte o sinal tocou bem na hora, então  fomos juntos para sala sem tocar no assunto novamente.
            Mas do que adiantou não falarmos mais no assunto,se fiquei pensando nisso o dia inteiro. Será que ele vai querer terminar comigo só porque eu não quis transar com ele? isso é golpe baixo, ele sabe (ou pelo menos deveria saber) que não sou esse tipo de garota. Estou ficando realmente preocupada, espero que o Yuiji não esteja confundindo as coisas.
                                                                                                                          
             Pelo que me parece, o assunto de ontem foi  TOTALMENTE encerrado, e para minha completa felicidade, o Yuiji não ficou chateado, pelo contrario, até que estava com uma cara muito feliz, e pelo o que conheço dele... boa coisa não é.
             -Hikaru, sei que agi errado ontem com toda aquela história de sexo, por isso convenci minha mãe, e ela fará um jantar para nós três. Considere isso como um pedido de desculpas.
             Uau! Essa me surpreendeu, o Yuiji me convidando para um jantar ( e sem más intenções) não consigo acreditar.
             -Claro que eu vou !
           Respondo e o abraço ao mesmo tempo, este será nosso primeiro encontro, não oficialmente pois a mãe dele estará presente, mas não deixa de ser um encontro.
           *AIMEUDEUS* a mãe dele vai estar lá, de repente me bateu um nervosismo. Mas como sempre fui interrompida...
           -Então, que tal às 19:00, eu passo na sua casa pra te buscar.
           -C-certo.
           Gaguejo um pouco, mas consigo responder. Então nos despedimos com um beijo.
x                                                                                                                          
            O relógio está marcando 18:55, o Yuiji já deve estar a caminho, mas já estou pronta faz uns dez minutos, pus meu vestido azul meia-noite (que por sinal faz um belo contraste com minha pele branca e meus olhos azuis), para completar, coloquei uma tiara da mesma cor que o vestido. Quando ouço o DING DONG, é o sinal que ele já chegou.
           Ao chegarmos na casa dele, o Yuiji me levou até a sala de estar e, explicou:
          -Fique à vontade, minha mãe foi ali, mas daqui a pouco ela volta.
         -T-tudo bem.
         Mal havia acabado de falar e o Yuiji já estava me beijando, mas foi um beijo diferente, de um modo que eu não consigo explicar. Então notei que o Yuiji subia suas mãos pelas minhas  pernas até a barra do meu vestido. Finalmente caiu a ficha, ele me enganara direitinho com aquela conversa de jantar. Sei que não terei forças para lhe parar, então me entregarei de corpo e alma.
         -Vamos para o quarto.
         Sussurrei ofegante entre os beijos.
        -Como quiser.
         Yuiji respondeu. A propósito, foi difícil ir para o quarto, porque tivemos que subir as escadas, mas não conseguíamos parar de nos beijar.
        Ao chegarmos no quarto  o zíper do meu vestido já estava completamente aberto e, o Yuiji  puxava-o para baixo, com a intenção de tira-lo.

 Pensamentos do Matsuri Yuiji  *não tinha horinha melhor pra isso aparecer, não?!*
        Ela estava nua como apenas as mais belas mulheres podem estar, desafiadoramente nua. O luar que atravessava a janela lhe iluminava a curva da cintura, todo o comprimento das coxas. Seus cabelos, feitos de suaves ondas de um castanho escuro, se acumularam sob a cabeça, e os olhos, enquanto ela observava, estavam semicerrados.
       Ela não disse nada. Não precisava. Me aproximei dela como a maré seque a lua. E quando me deitei sobre ela, estava tão nu quanto ela estava.
       Quando desci minhas mãos para abrir aquelas coxas esguias e macias, senti como se estivesse abrindo os portões  de outro mundo. Um mundo, quente e sensual que nunca, jamais retornaria.
Capitulo 4                                                                                                         
           
            Amanhã já é o dia dos namorados, então como costome, darei um chocolate para o Yuiji. Ah! Falando nele, lá vem o Yuiji. Desde aquela noite (Capitulo 3) eu e o Yuiji estamos mais apaixonados que nunca, eu acho.
          -Hikaru! Aonde é que você vai? Lembre-se que você prometeu ver o meu jogo de basquete hoje.
          -Relaxa, eu volto a tempo de te ver jogar.
           Não posso contar à ele que irei comprar os ingredientes pro chocolate dele. Trabalhei muito para poder pagar os medicamentos do meu pai ( olha...alguém lembrou do pai da coitada, finalmente. Ah! Não liguem para mim, sou só um projeto de escritora que quer aparecer *levatiro*) e ainda sobrar dinheiro pros gastos extras.
           Assim que senti uma mão segurando meu braço, me virei assustada. Foi aí que eu vi aquela pessoa.
          -Hitsu?!!!
          Grito apavorada e surpresa ao mesmo tempo.
         -Cadê o cãozinho? Deixou a princesinha sozinha, mas que cão infiel.
         -O que está fazendo aqui?! E tire essa mão de perto de mim, tenho nojo de você!
         -Não fale assim querida. Não se esqueça que a cãozinho de guarda não está aqui pra te proteger.
          Quando notei seus lábios já encostavam nos e não pude evitar, mas algo chamo minha atenção atrás do Hitsu. Foi quando finalmente consegui me libertar dos lábios de se apertavam com força contra os meus, e corri atrás da pessoa que amo.
          -YUIJI, ESPERA !!!
         Mas ele continuou andando, como se eu não existisse.
         -Não é o que você está pensando ! (que coisa mais clichê*levatijolada*)
          O que veio a seguir me deixou assustada e desesperada.
         -Cale a boca! Eu tenho CERTEZA do que eu vi, posso não ter visto o rosto do cara com quem você estava se beijando, mas não perdoarei isso NUNCA.
         Yuiji estava furioso, mas como convencê-lo que não tive culpa? Mas não pensem que não tentei.
         -Mas  eu...
         -NÃO MINTA PARA MIM!
         Pena que não funcionou. Eu estava chegando ao completo desespero.   
          -Não irei mentir...
         Minha voz demonstrava calma, mas era exatamente o oposto do que sentia por dentro. Quando finalmente ia falar, ele me interrompeu.
         -Achava que você me amava.
         Sua voz não demonstrava mais fúria, e sim melancolia, sua voz estava tremula... como se estivesse prestes a chorar.
         -Está terminando comigo?
         Não sei como arrumei coragem para perguntar aquilo.
         -Já terminei.
         Meu mundo havia desmoronado, minhas pernas não tinham mais forças para me sustentar, caí ajoelhado no chão vendo o garoto que mais amo. Me deixando para trás.

x                                                                                                                      
          Nada mais fazia sentido para mim, o mundo todo já não me importava. Mas preciso voltar para casa.
          Abro a porta, mas só escuto o barulho da TV, nem quando eu gritei “ Tadaima” ninguém respondeu, aonde será que meu pai foi? Será que ele saiu? Mas vi algo estranho, era um... corpo caído no chão?!
          -Pai? Pai? O senhor está bem? Pai fala comigo!
          Mas tudo que se ouvia lá era a TV e minha voz, nenhum barulho vinha do meu pai. E tudo que eu estava sentindo de repente explodiu. Agora os meus soluços tomavam conta da casa, mas me concentrei e disquei o numero da emergência.

x                                                                                                                        
                                                   
YUIJI
           O que a Hikaru estava pensando? Me traindo na frente de todo mundo, nunca imaginei isso dela. E isso tinha que acontecer logo num dia de jogo. Merda! Tenho que me concentrar . A Hikaru não faz mais parte da minha vida. Ah! Tem algum  aluno levando bronca na sala dos professores, adoro ouvir conversas escondido, talvez eu me anime um pouco com isso.
           -... é, terei que faltar amanhã.
           Uma voz muito conhecida falava, era a Hikaru.
          -Mas porque?
          O professor perguntou a ela, com um tom de impaciência .
          -Meu pai desmaiou, e está internado, por isso terei que passar a noite com ele no hospital, não sei se acompanharei as aulas direito essa semana.
          -Certo. Tanto faz.
          O pai da Hikaru ta hopitalizado ?! ela deve estar arrasada... mas isso não era mais problema meu, melhor ir logo para os vestiários e me preparar para o jogo. Só um riso muito irritante vinha da direção contraria da minha, era o idiota do Hitsu, mas não conseguia entender por que ele estava rindo feito um idiota.

x                                                                                                                           
                                                      
AINDA É O YUIJI
           O jogo acabara de começar e estávamos perdendo por pouco, nada que não pudéssemos recuperar, mas  aquele Hitsu idiota estava assistindo o jogo, e toda vez que ele olhava para mim, estava rindo. E outra coisa chamou minha atenção, a Hikaru saiu correndo, e tive a impressão de que também estava chorando. Meu olhar se voltou para Hitsu,foi aí que caiu a ficha. Mesmo corte de cabelo, mesma altura e usava o uniforme do colégio. Foi o Hitsu.


Capitulo 5                                                                                                                                                                                           

YUIJI

         O jogo não me importava mais, minha atenção ficou focada na Hikaru chorando, e quando o Hitsu viu minha expressão começou a rir ainda mais.
             Não pude mais esperar. Deixei os outros jogadores e o treinador (gritando) para trás, e fui em direção ao hospital aonde provavelmente Hikaru estava indo. O  caminho parecia mais longo que o normal. Meu coração estava prestes a sair pela boca, e minha aflição aumentava cada vez mais quando eu pensava que parte daquele sofrimento que estava possuindo a Hikaru era culpa minha.
            -Hikaru...
               Me peguei sussurrando o nome dela. O desejo de reencontrá-la é muito grande. Rever aquele rosto fofo com raiva toda vez que a faço corar. Tenho medo que ela seja consumida pela melancolia e pelo sofrimento. Tenho que salva-la.
                Quando finalmente chego ao hospital, me direciono a recepção e a moça que estava lá me informou o numero do quarto do pai da Hikaru.
 Bato na porta, mas ninguém responde, então abro-a devagar e encontro a Hikaru em pé, com o rosto molhado e vermelho, nesse momento a culpa me invade novamente.
                 -Hikaru... queria lhe pedir desculpas por não ter acreditado em você, sei que a culpa não foi sua. Perdoe-me.
                 Mas não se ouvia mais nada além dos BIPs de uma maquinha que estav do quarto e os soluços descontrolados da Hikaru.
                 Foi aí que a Hikaru se jogou encima de mim, chorando ainda mais. Finalmente eu a tinha novamente em meus braços.

X                                                                                                                         

HIKARU

                Não me lembro direito do que aconteceu ontem a noite, mas tinha uma certeza: chorei até pegar no sono. O que eu não esperava era ter dormido no pequeno sofá do quarto do hospital, minha cabeça estava apoiada no colo do Yuiji como se  suas pernas fossem um travesseiro. O Yuiji havia adormecido também, a luz do amanhecer que atravessava a janela, refletia nos cabelos negros do Yuiji, seu rosto me trazia calma e segurança.
                  Quando ouço um sussurro, meu pai estava finalmente recobrando a consciência, o que provavelmente também acordou o Yuiji, só que ele levantou-se silenciosamente e saiu do quarto. Meu desespero estava novamente de volta. Será que ele havia se arrependido de ter voltado comigo?!...
                   Mas logo fui interrompida ao ver que uma enfermeira havia entrado e logo atrás o Yuji.
                   -Melhor vocês voltarem para casa, crianças. Teremos que fazer alguns exames, e vocês devem estar cansados.
                   E estávamos mesmo, mas antes que eu pudesse falar alguma coisa, o Yuiji disse:
                    -Sim senhora, voltaremos mais tarde.
                    Saímos do quarto e o Yuji segurava minha mão com força, puxando-me em direção a minha casa.
                    Enquanto caminhávamos o silencio tomou conta de nós, até que chegamos em minha casa. Abri a porta e notei que o Yuji havia entrado também. Acho que minha expressão havia dito tudo, pois ele finalmente quebrou o silencio.
                    -Não posso deixar você sozinha.
                    -T-tudo bem...
                    -Olha, sei que foi o Hitsu que...
                     Mas ele não teve oportunidade de terminar a frase, pois o interrompi.
                     -Não precisa falar nada, você já me disse tudo o que devia ontem e eu te perdôo.
                     Disse ele beijando-me com mais desejo que o normal.
                      -A-acho que vou tomar um banho.
                      Falei. Talvez se eu esfriasse a cabeça, pudesse me controlar melhor. Mas creio que estava enganada.
                       -Eu vou junto.
                        Falou o Yuiji.
                       -O-O QUEEEEEEE?!!!!!!!!!!!
                       -Como havia dito antes: ”Não posso te deixar sozinha”.
                        Daí não pude mais falar ou revidar. Seus lábio já se encontravam nos meus, sua língua já entrara em minha boca. Enquanto suas mão escorregavam até meus seios e logo depois levantando minha blusa toda, com o propósito de tirá-la.
                        Ao chegarmos no banheiro, não havia mais nenhuma peça de roupa em meu corpo, nem no dele. Abri o chuveiro com dificuldade e a água morna escorria por todo o nosso corpo, deixando o Yuji ainda mais agitado.
                      Algum tempo depois estávamos deitados em minha cama, seus dedos percorriam minhas costas com delicadeza,  enquanto eu estava deitada em seu peito. Quando decido perguntar:
                       -Você me ama?
                      Seus dedos pararam de acariciar minhas costas por um instante, mas logo continua:
                      -Hikaru, será que você não entende?! Você é como uma droga para mim, quanto mais tempo passo perto de você, mais me vicio em seu cheiro, em seu olhar... em seu sorriso. Não  posso mais viver sem você, não CONSIGO viver sem você. A partir do dia em que nos conhecemos você se tornou a minha vida.
                      Escutei tudo sem dizer uma única palavra, na verdade estava surpresa demais para falar alguma coisa. Mas só saiu uma pequena frase.
                      -Eu te amo tanto.
                      -Eu sei.
                      Um largo sorriso apareceu em seu rosto. Seu sorriso me iluminava como o sol, MEU sol.
                      -Convencido !
                      Bati de leve em seu peito, fazendo-o gargalhar. Então calei seu riso com um beijo do qual ele retribuiu.
*FIM*                                                                                                   

EM BREVE CAPITULO EXTRA ^^

1 comentários:

. on 26 de outubro de 2010 09:00 disse...

Muiiito perfeita sua fanfic,tavendo eu li *-*.